Arquivo da tag: oratória

Não é só o estudante que precisa de motivação

Olá. Inspirado pelos comentários sobre meu texto no site de @paulorrj (umpapolivre.com) e também baseado nas aulas que tive essa semana, me perguntei: será que só os estudantes precisam ser motivados a assistirem às aulas? Como fazer isso se muitas vezes nem os professores estão motivados?

A questão da motivação, em qualquer aspecto, é muito difícil de se lidar. Tem gente que se emociona mais com o visual, outras com o auditivo, outras com a sinestesia. Por isso quase todas as propagandas abusam nesses três campos, para atingir a preferência de todos os espectadores.  Caso semelhante acontece se quisermos motivar os professores. Temos que utilizar todos os três campos também, mas a grande diferença é a mensagem que se passa: esta tem muito mais valor.

Tive algumas ideias de como essa mini-teoria pode  ser direcionada aos professores. Ei-las:

  • Ambientação: o ambiente físico da escola tem que ser agradável. As salas têm que ser bem iluminadas (se possível, com janelas abertas); plantas também ajudam nessa ambientação. Outra coisa que tem que mudar é o pátio. Por que tem que ter tanto concreto? Podia ter só uns caminhos de concreto e o resto seria grama rasteira, com árvores. Esse ambiente traria bem-estar a todos, inclusive aos professores.

Que pátio sem graça.

  • Diálogo franco: A direção da escola tem que ter um canal de diálogo franco e aberto com os professores. Não vejo isso nas escolas. No máximo, faz-se uma avaliação dos professores (o que é MUITO bom e tem que ser encorajado). Esse diálogo de que falo tem que ter um teor sério, e deve ser feito uma vez por ano ou por semestre. Nele, o palestrante deve mostrar como a educação está mudando e como o papel do professor muda com isso. Deve instigar o questionamento interno dos professores: “Se eu fosse aluno, eu gostaria das minhas aulas?”. Também deve dar ideias e sugestões para melhorar as aulas.
  • Integração dos professores à diretoria: Os professores têm que ter voz nas decisões da diretoria. Nada pode ser feito sem a aquiescência dos professores. Essa atitude seria um grande passo na direção da valorização do professor; ele se sentiria parte da instituição, suas decisões influiriam na política da escola/universidade.

Logicamente, a questão financeira é importante, mas quis abordar neste post somente fatores que podem ser trabalhados em âmbito interno. Noutro post deverei falar mais sobre políticas macro para lidar com motivação dos professores.

O que acham? Como podemos motivar os professores?

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Nova universidade, Novo professor

O que um professor NÃO deve fazer

Olá. As aulas na UFPE voltaram nessa semana; elas são a razão de toda a minha indignação com a educação (essa aliteração ficou péssima). Essa volta às aulas, porém, foi diferente das demais. Voltei com uma visão diferente dos professores; fiquei muito mais observador e crítico.

Mesmo as aulas boas têm momentos de desânimo e sono. Senti isso nessa primeira semana. Por isso, estive observando as exatas atitudes do professor que deixam a aula chata e desmotivante. Listá-las-ei:

Ok, professor, pode sentar-se assim durante um tempinho.

  1. Dar aula sentado: Se você é professor, evite de todas as formas sentar-se na cadeira do professor. Quando o professor está sentado, é impossível observar toda a sala; alguns alunos não conseguem vê-lo também; isso é um convite para a indisciplina. Além disso, sentado, sua voz não é tão potente quanto em pé; perde-se a respeitabilidade. No máximo, pode sentar-se um pouco na sua mesa; isso dá um ar intimista e nos prende a atenção.
  2. Ficar parado: Professores que não se movimentam no palco não prendem a atençãodo estudante. Parados, são um ótimo sonífero. Mais chato ainda é quando o professor dá aula apoiando-se na parede, ou no quadro. Isso dá um desânimo danado. O professor tem que saber usar o espaço da lousa, não só se movimentando, mas gesticulando quando possível.
  3. Não descontrair: Fato. Toda aula tem que ter distração. Uma coisa que eu perceboque atiça a curiosidade dos alunos é quando o professor conta alguma história pessoal que tenha a ver com o assunto. Todo professor com certeza tem muitas histórias interessantes pra contar; fale sobre o mestrado, doutorado, algum aluno diferenciado que você já teve etc. Isso tudo tira os estudantes do stand by.
  4. Não variar o tom de voz: A maioria dos professores acha que a gente presta atenção em 100% da aula. É impossível. Ele tem que frisar as coisas mais importantes aumentando o tom de voz. Além disso, variar o tom corretamente dá mais emoção à aula; isso tudo contribui para prender a atenção do estudante.

Tudo isso está englobado no que venho falando no blog: o professor tem que atrair o estudante, tem que convencê-lo a assistir a suas aulas.

O que vocês acham? O que os professores NÃO devem fazer?

2 Comentários

Arquivado em Novo professor